just an update

e então que já faz mais de 1 mês que travei na hora de fechar a bolsa, a porta do quarto e deixar a casa…

a volta foi tranquila, e antes de vir aproveitei tudo que pude até os últimos momentos, com direito a passeio de bike e trekking pelos meus lugares favoritos.

chegar foi interessante e me deparar com algumas coisas do cotidiano por aqui esclareceu muitas coisas… trouxe bastante alegria em alguns sentidos e alguns desanimos em outros… como sempre, como tudo, afinal, não existe melhor nem pior, muito menos perfeição, apenas o diferente! e a gente sempre se adapta ao que temos… \o/

neste mês, encontros, churrascos, cervejinhas com amigos, alguns (poucos) pedais, tentando continuar a corrida, de volta ao trabalho, ao ambiente normal, ao convivio com amigos, a entender e ser entendida com muuuito mais facilidade, em relação a muitas coisas.

bons sentimentos, coração preenchido, muitas memórias, bastante saudade, e quem sabe novos animos, visões, sonhos renovados. mas o foco agora, antes de qualquer perspectiva do que eu quero ser quando crescer é: i got a thesis to write!! aaaahhhhh!! e assim serão os próximos meses..

da saudade, além das pessoas, claro, me pego frequentemente pensando no meu “barraco”, na minha vizinhança e os lugares por onde passava, percursos cotidianos, as áreas verdes, os passeios de bicicleta…

mas, creio que: everything in its right place…

e amanhã tem feriado com encontro de turma!! eeeeeeeeeeeeeeeeeeee!!!

“see you”

me responda quem souber

após observar e mesmo vivenciar umas certas coisas, e mesmo ainda puxando um pouco o fio da conversa que o texto do Pablo Neruda sugere, tenho me perguntado: o que é ser forte? o que significa isso?

ouço sempre as pessoas falando que é preciso ser forte. muitas vezes há um consenso sobre alguém ser forte! mas no fundo, o que isso representa? quero dizer, existe mesmo uma definição para isso?

por exemplo… um típico exemplo de pessoa “forte”, é uma pessoa durona, que não deixa a peteca cair, que segue firme, que sabe se impor.

mas para mim, uma pessoa que se abre ou se expoe às situações difíceis mas de coração mais aberto, consequentemente abrindo tbm a porta para sentimentos mais intensos, tendo que lidar com tudo isso, e “se salvando” no final. isso significa ser fraco? passar um processo mais cheio de emoções em vez de passar como um trator por cima dos problemas representa essa diferença?

eu não sei… às vezes vejo pessoas que são educadas a nunca expressar um sentimento ruim, a nunca mostrar que algo está errado… e assim elas vão passando por cima de seus problemas. mas talvez lá no fundinho, vão tbm cavando um buraquinho “na alma”..rs.. mas jamais mostram isso. isso é ser forte?

não sei… mas acho que eu gostaria de entender melhor sobre isso! se alguém tiver algum palpite ou sugestão…

coisas da vida

é adorável pensar em como pequenas coisas se tornam realidade na nossa vida, sem, muitas vezes, nem realmente focarmos na realização delas. por exemplo:

eu sempre achei o máximo ter janela em cima da pia da cozinha, e inclusive quando penso na casa dos sonhos, claro que ela está lá. e hoje, sem querer, passei estes meses lavando a louça com vista para belas árvores e um jardim.

quando era mais nova, imaginava que aos 30 anos eu moraria sozinha… coincidentemente, mesmo não morando sozinha oficialmente, aos 30 anos vim passar quase 1 ano sozinha, nesse intenso momento eu-comigo-mesma. só que naquela época eu imaginava que eu teria um carro, e hoje me viro com minha(s) bicicleta(s) hehe, que em breve volta a ser uma.

antes de entrar no mestrado e nem sonhar com doutorado eu vi uma palestra de um holandês, quer dizer, um alemão que trabalhava numa universidade holandesa e pensei: poxa, seria legal estudar na holanda! cá estou eu hoje, arrumando a bagagem e a lembrança de algo que agora já é passado, que foi estudar na holanda, mas que poderia ter sido em outro lugar :D

é interessantíssimo como algumas coisas acontecem, de forma tão sútil às vezes, sem realmente planejarmos, ou focarmos nelas com unhas e dentes, mas simplesmente abrirmos a mente e o coração para que elas venham. é claro que, de alguma maneira, temos nossa parte na história, mas é ainda melhor quando de repente vemos que: aconteceu! :) e tbm é claro que, nem tudo que abrimos nosso coração para, acontece, infelizmente. mas é interessante pensar que talvez aconteça apenas o que realmente tem que acontecer, e como de certa maneira prevemos isto com antecedencia…

para completar, compartilho um texto que pode ajudar cada um de nós a revermos alguns conceitos, pensarmos em algumas de nossas atitudes e quem sabe melhorarmos ainda mais o dia de amanhã. de pablo neruda:

“Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os “is” em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.
Morre lentamente, quem abandona um projeto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um feito muito maior que o simples fato de respirar. Somente a ardente paciência fará com que conquistemos uma esplêndida felicidade.”

e a vista da janela…

surpreendente

pois é! depois de uma semana cheia de emoções e choros como foi a semana passada, “realizando” a despedida, imaginando estas semanas seguintes com o escritório vazio e quão triste isso seria, eis que ainda é possível se supreender!

ao cotrário do que eu esperava, de que a cada dia mais próximo do fim do estágio eu estaria mais triste, na verdade, as coisas estão fluindo como se nada estivesse acontecendo. claro, a cabeça está mudando o foco, pensando nas coisas q tenho q fazer antes de ir (em relação a documentos, venda das coisas e até mesmo visitas a alguns lugares), mas tbm já está começando a fazer os contatos, programar encontros, agendar atividades, visualizar o antigo ambiente. o trabalho está indo meio devagar, mas ao menos estou conseguindo fechar relatórios que deveria fazer, e isso ajuda. mas os sentimentos estão tranquilos… eeeeeeeeeeee!! há luz!!! há luz no fim do túnel!!! ahhahah

e para completar, após 2 semanas de chuva diária, a previsão é de que a partir de domingo o sol volte a brilhar e a cara do verão reapareça!! ótima pedida para acompanhar o momento! \o/

e o que penso tbm é que estou prestes a parar de atualizar este blog, ao menos com tamanha frequencia, ou mesmo pq a razão inicial de ser dele, vai ter acabado… vamos ver!

e hoje é sexta, e as borboletas no estomago já não voam mais…rs.. devem estar sobrevoando o atlantico, esperando eu chegar! :)

challenge day (and the birds)

nada como um dia cheio para manter a mante e o corpo no ritmo! e o dia ser ótimo ao final :)

hoje acordei um pouco mais tarde que o previsto. na verdade, acordei na hora de ir pra primeira aula na k-dimia, mas e a chuva que caia no telhado e embalava a preguiça?! deixei para ir apenas pra segunda aula… good choice! ;)

de tarde, fui ao mercado e ao centro. a menina que morava aqui veio este fds, o q me deixou feliz pois não esperava ve-la tão cedo! a má notícia é que eles não são um casal anymore, mas… foi ótimo reve-la. aproveitei para fazer uma janta coletiva: pro chinês, pra amiga do trabalho e sua irma, para o casal (não casal) do quarto ao lado…rs… desafio o dia? as meninas são alérgicas a lactose e gluten. e eu sou super restrita em receitas… investi na variedade: frango ao vinho com shimeji, berinjela refogada com champignon e tomate, salada de grão de bico (com champignon e tomate), batatas ao forno com alho, cebola e alecrim, tofu temperado, salada de rúcula… e pão de queijo (que elas não comeram..rs..). acho que deu tudo certo no final! :D a parte triste é que não tirei as fotos que gostaria com todos eles… :( e esqueci as azeitonas na geladeira, assim como de entregar as lembrancinhas que comprei pra elas! :S

sobre os pássaros… não sei se falei mais sobre eles. mas lembro q no começo comentei q eles não eram muitos. por alguns meses, era um silencio pleno, e comecei a ouvi-los em meados de fevereiro, acho. ultimamente, andaram super cantantes, das 4:30 am (quando começa a raiar o dia), até 10 e tanto da noite. uma alegria só (que chega a irritar quando ainda é cedo demais para acordar..rs..). mas o interessante é que estão diminuindo a atividade… e ouvi hoje que as aves migratórias estão mesmo iniciando viagem, já que não está quente como buscam…

hoje, pleno verão, andando pelo centro seria como um dia perfeito de inverno. no momento, diga-se  de passagem, o registro é de 13°C.. ;)

vamos q vamos, que o tempo voa!

 

começou…

estou a exatas 3 semanas de pegar o vôo de volta pra casa… já entendi que não vou voltar com as coisas que pretendia levar prontas, e a ficha de que o montante de trabalho a ser feito estando de volta é gigante está caindo aos poucos. bom que seja aos poucos, pq certeza que vai soar o “alarme de emergência”, além de ativar uma boa dose de desespero… hehe já me conheço, e depois desses relatos, vcs tbm. :)

num primeiro momento, gostaria de, até pelo silêncio que estará por aqui no escritório este mês, conseguir virar uma máquina de produtividade academica e agilizar o processo. mas, até parece… rs… entre outras pessoas mais ou menos próximas que já vem se despedindo, visto que estão saindo de férias, essa semana uma menina me deu um cartão que me deixou bem feliz com as falas. e olha que nos dávamos bem, mas nunca fizemos coisas extra-office juntas. o q me deixou ainda mais feliz por ler a mensagem bem específica que ela escreveu, e pelo carinho recebido!

e ontem!! ahhh, pra que?! aquela rocha de mulher com quem dividi a sala esses 10 meses e que tanto me ajudou nesse processo de pesquisa aqui, ainda que sendo de uma área totalmente prática (e me intimidar muitas vezes com sua praticidade e firmeza em realizar suas tarefas), veio ela se despedir, e assim que ela começou a chorar, claro que não me contive. chegou a ser engraçado, as duas se debulhando aqui na sala… falando o que pensava e sentia em relação a tantas coisas. e ela me deu um presente bem especial, junto com a recomendação de eu aproveitar as próximas semanas para passear por aqui, tirar fotos, viver o momento. (e eu pensando em trabalhar…rs…)

e na sequencia, tbm era último dia de um dos maiores amigos q fiz aqui. em se tratando de originalidade de fábrica, certamente o maior. e a cada uma dessas pessoas que se despede, um pedacinho do coração parece que apaga.

e é mesmo férias… uma certa semelhança grande com são carlos, com os prédios da universidade fechando mais cedo, restaurantes e lanchonetes fechados, aquele vazio que corta! o lado “Bom” é que, junto a isso, vem aquele sentimento de: time to go home!  sem contar que, para verão, a coisa tá bem estranha. estou usando casaco de frio hoje, e aquele clima cinzento e chuvoso do lado de fora,  promete permanecer pela próxima semana…

fico tão admirada com a resposta de uma amiga sobre seu processo de volta para casa após estágio semelhante: de que estava tão focada em seu trabalho que nem notou a mudança de volta!!! hahahaha… eu devo ter problemas sérios!! :P

tired of struggling with myself

pois é.. cansei de ficar o tempo todo pensando no que pode ser, questionando o que ainda não foi, imginando o que poderia ter sido, me preocupando a toa e antecipadamente e, principalmente, de lidar com os sentimentos intensos (muitas vezes negativos) que esses pensamentos trazem. cansei de ser “pura emoção”, num mundo onde é necessária a razão! a questão é: como mudar isso??

owmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm